20/09/2008

ONDAS DE ESTRELAS DE LEITE


Ondas de estrelas de leite
Ondas de luzes circundam tua cabeça

Raiada
Você é mulher
rosto humano diante do meu rosto vivido
esticando dedos e fios para atravessar
o sutil canal da transparência

Gostaria de escrever com menos profundidade
mas sou das profundesas
e nas profundesas reside o sexo,
o sexo de Alice
(astro que arrasto por esses dias de progresso
e progressões)

Sublimo o desejo para encontrar desejo
no talento dessa que ora me ouve
Minha poesia que tanto cospe não cospirá
nada tão pontiagudo sobre as celulas dela
criatura que me ouve
Vou chamá-la de Patricia Galvão
porque senti saudades daquela quebrante poeta

Vou chamá-la de translação de luz com Vênus
(lua no lugar de luz)
errando também se acerta e o poema de Alice cresce na barriga de Alice
cresce na minha barriga

Alice me pede q não só à olhe pelo ângulo da anatomia pélvica
mas q eu à olhe como pessoa,
não como refeição, sanduiche, salada de atum, sorvete de cabelos...

Essa minha irmã floresce agora que é primavera transcendental



EDU PLANCHÊZ

Um comentário:

Fabrine disse...

Palavras maravilhosas...na medida intensa pra intrigar e fazer pensar e pensar...